Otorrino Paulista

Entenda agora o que é adenóide e os problemas relacionados

Afinal, o que é adenóide? Quais são os problemas relacionados a ela? Se dissermos que você nasceu com adenóide? Calma, não é motivo para preocupação. Ela desempenha uma função bem interessante no seu corpo.

Na verdade, todos nós nascemos com ela: adenóide é o nome dado à glândula presente na parte posterior do nariz, a qual é composta por tecido linfóide e que por volta dos sete ou oito anos começa a diminuir de tamanho. Como ela fica na parte posterior do nariz, acima do palato (conhecido como céu da boca), não podemos vê-la.

Já ouviu falar sobre carne esponjosa? Então, é a adenóide de tamanho aumentado. Os problemas decorrentes dessa glândula surgem quando o crescimento dela ultrapassa o normal e elas começam a obstruir a passagem de ar pela cavidade nasal.

A seguir, conheceremos os problemas relacionados, causas, sintomas, tratamentos adequados e possíveis complicações. Então, vamos à leitura?

Função da adenóide

A adenóide é um tecido que produz células de defesa. Ou seja, protege o nosso corpo de uma série de doenças, como infecções. Sua função, nesse sentido, é a mesma das amígdalas. Nosso corpo conta com duas adenoides, cuja função é produzir linfócitos e anticorpos. Elas são dois aglomerados de tecido que ficam entre o nariz e a garganta e que não podem ser vistos a olho nu. Por isso, o diagnóstico de problemas requer, em certos casos, além da análise da história clínica, alguns exames.

É devido à produção de linfócitos e anticorpos que têm a capacidade de proteger o organismo de micro-organismos que invadem a cavidade oral e nasal. Apesar desse papel de defesa, nos casos em que a retirada cirúrgica é necessária, não se percebe problemas no sistema imunológico.

Causas

Primeiramente, é importante ressaltar que adenóide não é um problema de saúde ou um sintoma. Pelo contrário, a glândula atua como uma forma de defesa do organismo, que nos protege de vírus, partículas e bactérias que tendem a se acumular tanto na garganta quanto no nariz. Contudo, por que ela aumenta e apresenta problemas?

Em crianças, as causas mais comuns dessa hipertrofia geralmente se relacionam às infecções de garganta constantes. Entretanto, alergias, determinadas substâncias e até mesmo refluxo gastroesofágico podem contribuir para esse aumento, que também pode não estar relacionado a nenhum dos fatores mencionados e ocorre de maneira natural.

Já em adultos, a hipertrofia é rara, e quando acontece está relacionada geralmente aos seguintes problemas de saúde:

  • infecção (pelo vírus HIV);
  • linfoma de Hodgkin;
  • câncer;
  • carcinoma de nasofaringe;
  • doenças granulomatosas.

Sintomas

Os sintomas relacionados à adenóide dependem do problema apresentado. Em relação à hipertrofia em crianças, por exemplo, alguns dos sintomas são:

  • ronco;
  • irritabilidade;
  • problema para respirar pelo nariz, ocasionando a respiração pela boca;
  • agitação, inclusive durante o sono;
  • problemas na audição;
  • doenças pulmonares;
  • alergias;
  • falta de concentração.

É muito comum que as mães cheguem ao consultório com a queixa de que os filhos não têm qualidade no sono. Em muitos desses casos, o que se percebe é um crescimento exagerado do tecido, que prejudica a respiração da criança e leva a problemas como sonolência diurna, transtornos auditivos, dificuldade de concentração, entre outros.

Já em adultos, os sintomas relacionados à hipertrofia podem ser:

  • respiração pela boca;
  • ronco;
  • boca seca ao acordar;
  • irritabilidade;
  • complicações com a respiração;
  • específicos, variando de doença para doença.

Esses são sintomas considerados gerais. Contudo, é importante ressaltar que a adenóide nos adultos é indicativo de alguma outra doença. Dessa forma, muitos dos sintomas estão relacionados à patologia que causa o problema.

Diferenças entre adenóide em adultos e crianças

Tanto adultos quanto crianças têm adenóide. Ou seja, essa forma de proteção faz parte de todos nós e começa a se desenvolver por volta dos 2 anos. Normalmente existe um pico de desenvolvimento quando a criança tem entre 3 e 4 anos. Alguns problemas podem surgir nesse período, já que o crescimento pode dificultar a passagem de ar. É a famosa hipertrofia de adenóide.

Aos 7 anos começa um processo de atrofiação, ou seja, uma diminuição de tamanho. Entretanto, nem sempre os processos naturais do organismo permitem que esse tecido esponjoso reduza seu tamanho e é essa condição que leva ao surgimento de problemas na adenóide. Esses problemas não estão limitados aos casos de hipertrofia. A adenoidite é um exemplo.

Resumindo, a diferença entre adenóide em adultos e crianças é simples de entender se pensarmos no processo de desenvolvimento. Na infância, por exemplo, o aumento de tamanho é considerado comum. Já na vida adulta é esperado uma eliminação, o que evita e previne inflamações.

Sendo assim, a hipertrofia é considerada comum quando se trata dos pequenos, até mesmo quando esse crescimento é maior que o esperado. Já nos adultos é entendido como um quadro clínico que pode estar relacionado a outros problemas de saúde, tais como obesidade, herança genética, disfunção hormonal, infecção pelo vírus HIV etc.

Problemas relacionados

Os problemas relacionados ao aumento da adenóide são muitos, como:

  • boca ressecada;
  • fala com nariz obstruído;
  • dificuldade de respirar;
  • desalinhamento dentário;
  • sinusite;
  • infecções de ouvido;
  • apneia obstrutiva do sono etc.

A respiração constante pela boca, por exemplo, pode causar modificações na anatomia dentária e da face, as quais resultam em um rosto mais alongado, aspecto conhecido como fácies adenoideana, cujas algumas das características são:

  • palato arqueado;
  • lábio superior menor;
  • rosto de aspecto alongado;
  • dentes agrupados.

Em crianças que têm adenóide hipertrofiada e infecções constantes, é comum a presença de problemas relacionados à adenoidite, amigdalite e faringite. Os sintomas dessa primeira complicação são:

  • secreção amarelada pelo nariz;
  • halitose;
  • febre;
  • complicações relacionadas ao olfato;
  • tosse seca;
  • problemas para se alimentar.

A adenoidite de repetição (constantes inflamações nas glândulas), aliás, tende a acarretar problemas como rinite e otite. Febre, tosse seca e secreção amarelada pelo nariz são alguns dos sintomas dessa inflamação. Há ainda alguns casos nos quais a adenóide funciona como foco de cultura de bactérias para os seios da face. o que pode favorecer o surgimento de outro problema incômodo: a sinusite de repetição.

Diagnóstico

Como já mencionado no início deste texto, em razão da localização, a adenóide não pode ser vista a olho nu como as amígdalas, por exemplo. Por isso, é fundamental procurar o auxílio de um especialista a fim de obter um diagnóstico preciso e evitar futuras complicações.

Para realizar o diagnóstico, o médico geralmente consulta o histórico clínico do paciente, analisa os sintomas apresentados juntamente do seu tempo de duração e, se for o caso, solicita alguns exames, que podem ser, entre outros:

  • rinoscopia;
  • tomografia dos seios da face;
  • endoscopia nasal.

Apenas após a correta identificação do problema, o especialista sugere o tratamento mais adequado, que vai depender do nível de inflamação observada nas glândulas, entre outras questões. Seja qual for a conduta adotada, ela certamente vai promover uma melhora significativa na qualidade de vida tanto do adulto quanto da criança.

Tratamento

Conforme já apontado, a hipertrofia da adenóide em adultos pode estar relacionada a alguns problemas graves de saúde. Então, nenhum tratamento é destinado especificamente a isso e, sim, à própria doença que causa o aumento da glândula.

Agora, nas crianças, o tratamento depende dos sintomas apresentados e do tamanho da adenóide. Quando há hipertrofia, o espaço ocupado na rinofaringe é maior que 70% e surgem sintomas como ronco e respiração pela boca, por exemplo, o tratamento indicado pode ser a cirurgia para remover a adenóide.

Essa cirurgia não é vista como grave e é conhecida como adenoidectomia — geralmente é rápida (com duração de até dez minutos) e feita com anestesia geral; em alguns casos, as amígdalas também podem ser removidas. Normalmente, a criança fica internada somente por um período de 24 horas para observação e pode voltar à rotina escolar dentro de uma semana.

Agora, caso seja constatado adenoidite de repetição e o quadro geral seja mais leve, há as seguintes opções de tratamento:

  • utilização de antibióticos;
  • uso de soro fisiológico;
  • uso de solução com corticoide;
  • controle de elementos que podem provocar alergias;
  • redução ou eliminação de alimentos que provocam produção de muco.

Complicações

Aqui, ressaltamos a importância da criança receber o devido tratamento, já que a falta dele poderá resultar em:

  • complicações respiratórias;
  • problemas para conseguir se alimentar;
  • obstáculos para conseguir ter um sono tranquilo;
  • infecções fortes;
  • problemas para crescer, se concentrar e ganhar peso;
  • apneia obstrutiva do sono;
  • risco de desenvolver hipertensão arterial.

Vale lembrar de que remover a adenóide é um procedimento que não afeta o sistema imune da criança, já que há outros mecanismos de defesa em nosso organismo. Como essa glândula se desenvolve até os sete ou oito anos, ela pode voltar a crescer em alguns casos. Se o seu filho tem infecções recorrentes, alergias, respira pela boca ou se queixa de problemas no ouvido, no nariz e na garganta, busque a ajuda de um especialista, o otorrinopediatra.

Lembre-se de que é muito importante consultar um médico especializado, pois vimos que se a criança precisar de uma cirurgia em razão da hipertrofia e não for tratada de maneira adequada, ela pode sofrer com sérias complicações, como problemas de desenvolvimento e até mesmo baixa estatura.

Como você pôde perceber, adenóide faz parte do desenvolvimento natural do corpo humano e auxilia na proteção do organismo — quando há o aparecimento de sintomas em decorrência do aumento dela, entretanto, é preciso buscar ajuda médica.

Agora, o que acha de continuar se informando sobre outros assuntos semelhantes? Para isso, assine a nossa newsletter e receba as novidades na sua caixa de entrada!

Compartilhe !

Agendar consulta
1
Agendar consulta
Olá! Quer ter mais informações para agendar sua consulta?
Powered by