Otorrino Paulista

Saiba aqui como funciona o tratamento de labirintite

A vertigem é o principal sinal do aparecimento de doenças na região interna do ouvido, ou seja, no labirinto. Logo, a qualquer indício de que há algo errado, é fundamental procurar o médico para realizar o diagnóstico e o tratamento de labirintite, caso a suspeita se confirme.

Embora a labirintite desapareça sozinha, podem levar dias ou semanas para isso acontecer. Por esse motivo, o tratamento com medicação ou outro tipo de terapia é necessário para ajudar no controle dos sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente que sofre com o problema.

Neste post, abordamos o que é labirintite, as causas, os sintomas, as formas de tratamento e como preveni-la. Boa leitura!

O que é labirintite?

Labirintite é uma inflamação no labirinto, formado pela cóclea (estrutura responsável pela audição) e pelo vestíbulo (que nos oferece equilíbrio). Nem todo problema na região quer dizer que uma pessoa apresenta a doença, por isso, é importante ir ao médico para receber o diagnóstico correto.

As doenças do labirinto podem ser divididas em três tipos. Confira!

Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB)

É uma vertigem forte e de curta duração, que surge ao movimentar a cabeça para amarrar o cadarço do sapato, por exemplo.

Cinetose

Causa tontura, enjoo, sudorese e palidez quando o paciente se encontra em um veículo em movimento.

Síndrome de Ménière (Hidropsia Endolinfática)

É decorrente de um aumento de pressão do liquído que fica no ouvido interno e pode ser consequência de maus hábitos alimentares, problemas no metabolismo, doenças auto imunes. A síndrome de Ménière pode provocar vertigem forte e duradoura, zumbido e flutuação na audição.

Quais as causas do distúrbio?

A labirintite pode ser viral ou bacteriana. Sendo assim, o resfriado e a otite (inflamação auditiva) estão entre as causas do distúrbio. Porém, a doença está associada também a alergias, ao uso de medicamentos que afetam o ouvido, a problemas neurológicos e ao surgimento de tumores, por exemplo.

Devido à inflamação em áreas internas do canal da audição, os nervos do vestíbulo enviam sinais ao cérebro de forma incorreta. Por esse motivo, o indivíduo com labirintite tem a sensação de que o corpo está se movimentando. Logo, ocorre a perda das noções de equilíbrio, um dos principais sintomas da doença.

É importante ressaltar que a labirintite pode ser causada ainda por fatores emocionais, como depressão, ansiedade e estresse. Esses casos exigem o acompanhamento com um profissional especializado, isto é, o psicólogo ou psiquiatra. Sessões de terapia serão essenciais para auxiliar na recuperação do paciente.

Quais são os sintomas da doença?

A vertigem é o sinal mais comum da labirintite. Por isso, o paciente sente tudo girar ao redor. Porém, outros sintomas são observados em quem tem o problema, tais como:

  • zumbido;
  • perda ou redução da audição;
  • tontura;
  • dor de cabeça;
  • enjoos e vômitos;
  • suor excessivo;
  • desequilíbrio.

O diagnóstico de labirintite envolve um exame de ouvido ou até mesmo físico e neurológico. Ainda assim, o médico pode solicitar a realização de outros procedimentos, como um eletroencefalograma, uma audiometria e uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética da cabeça, para eliminar a suspeita de demais distúrbios.

Determinados fatores aumentam as chances de uma pessoa desenvolver a doença. Um deles é a idade acima de 40 ou 50 anos. Hábitos como fumar e ingerir bebidas alcoólicas e problemas como a hipertensão, o diabetes, o colesterol alto e a hipoglicemia também favorecem o surgimento da labirintite.

Como funciona o tratamento de labirintite?

O tratamento de labirintite é realizado de acordo com a causa do problema. Entenda!

Labirintite viral

A labirintite viral é provocada por infecções nas vias aéreas, no nariz e na boca. Nesse caso, o mais indicado é receitar medicamentos que auxiliem na redução dos sintomas. Podem ser prescritos ainda corticoides, anti-histamínicos e sedativos.

Labirintite bacteriana

A presença de bactéria no labirinto dá origem à labirintite bacteriana que, em muitas situações, está associada à meningite. O tratamento é feito com a ingestão de antibióticos. Para uma rápida recuperação, é fundamental seguir à risca a orientação médica.

Reabilitação do labirinto

Esse tipo de tratamento de labirintite é recomendado principalmente aos idosos ou a pacientes cuja tontura é de difícil controle. A reabilitação do labirinto é uma terapia para melhorar o funcionamento do vestíbulo, estrutura auditiva responsável pelo equilíbrio.

A técnica consiste na realização de exercícios conduzidos por um fonoaudiólogo ou fisioterapeuta, a fim de estimular todo o sistema do equilíbrio. As sessões de terapia podem ser associadas ou não ao uso de medicamentos e costumam oferecer bons resultados.

É possível prevenir as doenças do labirinto?

O sucesso do tratamento de labirintite também depende dos hábitos adotados pelo paciente no dia a dia. Por isso, não deixe de conferir algumas dicas para prevenir as doenças do labirinto!

Tenha uma alimentação equilibrada e saudável

É preciso evitar o espaçamento muito longo entre as refeições e consumir alimentos saudáveis, como frutas, verduras e legumes. O sal, o açúcar e a cafeína em excesso não são recomendados. Lembre-se, ainda, de se hidratar. O ideal é ingerir, em média, dois litros de água por dia.

Pratique atividades físicas

Não é segredo para ninguém que as atividades físicas fazem bem à saúde. Mas, antes de iniciá-las, é fundamental passar por uma avaliação médica e contar com a ajuda de um profissional. Você pode optar pela caminhada que, entre outros benefícios, melhora a circulação e alivia o estresse.

Evite o cigarro e as bebidas alcoólicas

O álcool e o cigarro podem agravar e prolongar os sintomas da labirintite, tais como o zumbido e a tontura. Por isso, a dica para quem aprecia bebidas alcoólicas é ingeri-las com moderação.

Cuide da saúde da mente

Manter a mente sempre ativa e saudável é essencial para prevenir as doenças do labirinto, pois, como dissemos, o fator emocional também pode dar origem ao distúrbio. Meditação, exercícios físicos, leitura, encontros sociais e terapia estão entre as atividades que fazem bem e ajudam a nos livrar do problema.

Porém, a adoção de um estilo de vida saudável não substitui o tratamento de labirintite. O primeiro passo é contar com o diagnóstico médico para depois iniciar o método terapêutico mais recomendado. Portanto, quem precisa de ajuda deve procurar um consultório conceituado e de qualidade no mercado.

E então, aprendeu como funciona o tratamento de labirintite? Que tal, agora, investir em sua saúde? Entre em contato com o consultório Otorrino Paulista e tenha acesso a serviços médicos de alto gabarito!

Compartilhe !

WhatsApp Agendar consulta