Granuloma: Entenda o que é, tipos e tratamentos

O granuloma é uma condição ou lesão na pele bastante comum dentre as pessoas, que na verdade é uma resposta inflamatória do corpo humano para poder se proteger em alguns casos específicos. Fato é que muitas pessoas sofrem com esse tipo de lesão mas não sabem o que fazer ao se deparar com ela, não sabem o que é, qual foi a causa daquilo e nem como resolver. Por isso, confira abaixo um pouco mais a respeito de granuloma, com o intuito de te auxiliar no processo de identificação e busca de profissionais capacitados.

O granuloma piogênico pode ter diversas causas e tipos, que irão afetar tanto na gravidade da lesão cutânea quanto também na forma que deverá ser tratado. Portanto, essa lesão na pele pode ter entre 2 milímetros a 2 centímetros de tamanho e é exclusivamente benigno. Além disso, é possível encontrá-la em diversas regiões do corpo como: cabeça, nariz, pescoço, peito, mãos e dedos, mas também é possível a ocorrência nas mucosas principalmente durante a gravidez.

O que é granuloma?

O granuloma piogênico é uma alteração muito comum na pele, que vai provocar o surgimento de uma massa vermelha e brilhante, na superfície da pele, ou em alguns casos, nas mucosas. Em certos casos, essa lesão pode apresentar uma coloração mais escura, próxima do marrom. Além disso, os granulomas podem ser classificados em dois tipos diferentes, que irão a partir daquilo que ocasionou a lesão. Portanto, recebem a classificação de granuloma de corpo estranho e granuloma imune. 

Granuloma de corpo estranho

O granuloma de corpo estranho recebe essa classificação, uma vez que a lesão é formada a partir da tentativa do nosso organismo de expulsar corpos estranhos presentes nele. Como no caso de materiais sintéticos, como suturas ou próteses, que o nosso organismo demora a entender que faz parte do nosso organismo mesmo que seja sintético. 

Esse tipo de classificação pode ocorrer também quando falamos de granuloma piercing, já que é bastante comum que exista uma “rejeição” do corpo humano em relação a algumas jóias específicas, podendo gerar grandes inflamações e até mesmo quadros gerais mais graves, como uma necrose. 

Granuloma imune

Os granulomas imunes, são denominados originalmente “granulomas epitelioide” e são causados justamente pela existência de partes insolúveis de microorganismos invasores. Uma vez que o corpo tem dificuldade de expelir esses microorganismos, em uma resposta imunológica acabam sendo formados os granulomas. 

Dentro desses tipos existem diversas outras nomenclaturas que vão diferenciá-los em subtipos distintos de acordo com uma série de outros fatores.  

Como identificar granuloma?

O granuloma piogênico é fácil de ser identificado, pois ele corresponde a uma massa avermelhada na superfície da pele, podendo haver sangramento quando há contato com a lesão. Por ter uma aparência muito característica, normalmente o diagnóstico é feito por um dermatologista ou nos casos de granuloma vocal, provocada pela cicatrização de lesões na garganta ou nas cordas vocais, o diagnóstico é realizado por um otorrinolaringologista.

Mas o mais importante é que o diagnóstico pode ser facilmente realizado por um médico capacitado apenas analisando a aparência da inflamação, embora em grande parte dos casos seja realizada uma biópsia tecidual da região afetada para confirmar o diagnóstico prévio.  

Principais causas

Ainda não se tem definidas quais são exatamente as causas da ocorrência de granulomas piogênicos, mas sim uma relação entre algumas ocorrências que podem facilitar o desenvolvimento dessa lesão inflamatória. Portanto, a ocorrência de lesão na pele provocada por picadas de insetos, agulhas e outras pequenas e finas incisões, mas também infecções bacterianas das mais diversas (como a tuberculose, hanseníase, sífilis, histoplasmose, esquistossomose, entre outras), e alterações hormonais, especialmente durante o período de gravidez, são alguns dos fatores que podem contribuir para a ocorrência de granulomas.    

Como é feito o tratamento de granuloma

Em parte considerável dos casos, o granuloma piogênico só tem a necessidade de ser tratado com maior atenção quando ele provoca desconforto, ou apresenta sangramentos constantes. O mesmo vale para o granuloma anular, que só precisará de tratamento específico em casos mais graves. Nos casos mais brandos é bastante comum que a lesão se cure depois de um tempo, sem a necessidade de intervenção medicamentosa, ou a utilização de pomadas. 

Apesar disso, existem também os casos em que mesmo que o quadro não seja grave, gera um desconforto e irritação da pele, e pode acabar gerando um desconforto também pela questão estética. Nesses casos, as intervenções mais comuns são: 

  1. Curetagem e cauterização: Processo no qual a lesão é raspada com um instrumento e os vasos sanguíneos que a alimentava são queimados. 
  1. Cirurgia laser: Esse processo é bastante comum, já que ele é bem prático por remover a lesão e queimar a base para que não sangre. Isso acaba tornando o processo mais eficiente e menos incômodo, de um modo geral. 
  1. Crioterapia: Essa técnica utiliza o frio e as baixas temperaturas a seu favor. Tendo em vista que o resfriamento intenso da pele atua na destruição de células e em diversas outras alterações, a crioterapia provoca a morte do tecido lesionado e faz com que ele “caia” sozinho. 
  1. Pomadas com corticóide: As pomadas que contam com a presença de corticóide são utilizadas para promover a desinflamação da pele, e também podem ser ótimas aliadas contra a coceira e a irritação. Desse modo, a ação desinflamatória da pomada faz com que a questão do granuloma seja resolvida.

Com isso, fica evidente que o tratamento de um granuloma não é muito complexo, apesar disso necessita do acompanhamento de um médico capacitado. Mesmo que você pense que não necessita de intervenção médica, se ocorreu sangramento, ou desconforto através de coceira, vermelhidão ou qualquer outro fator, busque um médico para que o seu quadro não se agrave. Caso o médico identifique que não há necessidade de uma intervenção cirúrgica ou medicamentosa, você ao menos já identificou o seu problema e pode ficar mais tranquilo. 

Em casos de granuloma ou de outras lesões na região do sistema respiratório, e também no aparelho fonador e auditivo, você deve buscar o acompanhamento de um médico otorrino especializado na área. Por isso, faço o convite para que você conheça a Otorrino Paulista, uma clínica médica voltada para o atendimento de pacientes com questões relacionadas à otorrinolaringologia. Para saber mais a respeito de cuidados com a saúde, e também sobre os serviços ofertados, acesse o site.    

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como posso te ajudar
Enviar WhatsApp