O que é a cirurgia de amigdalectomia e como funciona?

Muitas pessoas têm problemas de garganta inflamada e amigdalite, o que pode provocar diversas inflamações no corpo, falta de apetite, febre, perda da voz e outros incômodos. Se esse é o seu caso ou de alguém que você conhece, a amigdalectomia pode ser a solução. Pensando nisso, a Otorrino Paulista elaborou este artigo para explicar amigdalectomia o que é e como funciona a cirurgia de amígdalas, desde o processo pré e pós-operatório. Veja mais a seguir!

Amigdalectomia o que é?

A cirurgia de amigdalectomia é feita para retirar as amígdalas do paciente que possui inflamações graves e frequentes, como dor de garganta e amigdalite. Em geral, é majoritariamente realizada em crianças. Porém, há casos indicados para pessoas na fase adulta também.

Muitos pensam que a retirada da amígdala provoca uma queda na imunidade, mas isso não passa de um mito. O corpo humano possui diversos componentes imunológicos que fortalecem o bom funcionamento de tudo.

As amígdalas palatinas estão localizadas próximo à base da língua e possuem um papel fundamental no sistema imunológico, pois ajudam a proteger o organismo contra diversos vírus e bactérias que atingem a região após entrarem pelo nariz ou pela boca. Apesar disso, não são considerados indispensáveis para a sobrevivência do ser humano. Inclusive, é motivo frequente de reclamação por dor de garganta dentro do consultório médico.

Cirurgia de amígdalas: como funciona?

O procedimento de retirada das amígdalas palatinas é rápido e simples. Realizado por um médico especializado em otorrinolaringologia, é feito somente mediante exames de checagem e indicação do profissional responsável, pois depende do quadro individual de cada paciente.

Para fazer a retirada das amígdalas palatinas, o médico insere uma pinça cirúrgica na boca do paciente para fazer uma pequena incisão na extremidade inferior da amígdala. Dessa forma, é possível removê-la por completo. Após esse processo, por meio de um eletrocautério e pequenos pontos no local, o profissional da saúde fecha a região e evita sangramentos. Os pontos realizados caem sozinhos com o passar do tempo, cerca de uma semana após o procedimento. A cirurgia dura cerca de 30 minutos a uma hora e o paciente recebe anestesia geral.

Para quem a cirurgia de amigdalectomia é indicada?

Apesar de simples e segura, a cirurgia de amigdalectomia é feita somente com um acompanhamento médico, exames e análise individual do quadro do paciente. Atualmente, com o avanço da tecnologia da área médica e da saúde, muitos casos de garganta inflamada e amigdalite leves são solucionados com o uso de medicamentos, como anti-inflamatórios. Somente em casos mais graves e após análise de um otorrinolaringologista a cirurgia de amígdalas palatinas é recomendada.

Entretanto, se alguns sintomas comuns podem ser observados com frequência, é indicado fazer a cirurgia, por exemplo: mais de 7 quadros de garganta inflamada e amigdalite em um paciente ao longo de apenas um ano ou aumento frequente no tamanho das amígdalas palatinas.

Se esse é o seu caso, consulte um médico especializado em otorrinolaringologia o quanto antes. Na clínica Otorrino Paulista, oferecemos atendimento on-line e presencial. Consulte o site!

Cirurgia de amigdalectomia em crianças

Em 2017, no Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou cerca de 33,8 mil cirurgias de amígdalas. Destes pacientes, mais de 90% (31,1 mil) eram crianças. Como o dado citado evidencia, a retirada das amígdalas é muito mais frequente em crianças a partir dos quatro anos, com a presença de adenoidectomia ou não. Isso porque a garganta inflamada e a amigdalite são mais recorrentes nessa faixa etária.

Cirurgia de amigdalectomia em adultos

Apesar dos casos serem mais recorrentes na população infantil, a cirurgia de amigdalectomia também pode atingir adolescentes e adultos. Nessa faixa etária, além dos casos de garganta inflamada e amigdalite, o paciente apresenta queixas de mau hálito ou de abscessos periamigdaliano.

No primeiro caso, a solução é mais simples. Geralmente, o que causa o odor ruim na boca é o acúmulo de alimentos na amígdala, chamado de amigdalite crônica caseosa. Em relação ao abscesso periamigdaliano, o caso é mais grave e deve passar por um tratamento imediato, pois esse caso acontece devido a um quadro de amigdalite com formação de secreção purulenta na região.

Contraindicações

Assim como qualquer procedimento cirúrgico, a amigdalectomia é contraindicada em casos de pacientes que apresentam alterações na coagulação do sangue, processos infecciosos ou inflamatórios presentes nas vias aéreas superiores ou que indicam quadros de anemias de moderadas a graves.

Além do mais, fora os quadros específicos de contraindicação, é importante fazer a cirurgia de amígdalas em um local seguro, humanizado, certificado e reconhecido pelos órgãos médicos legais. Conforme uma reportagem da BBC News Brasil, segundo um estudo científico publicado na revista The British Journal of General Practice, na Inglaterra, entre 2005 e 2016, em cada mil crianças, duas ou três haviam retirado as amígdalas no país. Entretanto, 7 em cada 8 não preenchia os requisitos necessários para o procedimento.

“A pesquisa sugere que crianças com menos dores ou inflamações na garganta não vão se beneficiar o suficiente para justificar a cirurgia, porque, de qualquer forma, a dor de garganta tende a desaparecer”, diz o professor Tom Marshall em entrevista à BBC News Brasil, do Instituto de Pesquisa em Saúde Aplicada da Universidade de Birmingham, um dos autores do artigo.

Cuidados após o procedimento de amigdalectomia

Após a cirurgia de amigdalectomia, é comum o paciente receber alta médica depois de 8h a 12h. Contudo, é importante ter o acompanhamento do especialista, pois a liberação varia entre cada pessoa, conforme o avanço da saúde, com uma recuperação tranquila e segura.

Depois de passar pelo procedimento e alta médica, alguns cuidados são necessários na alimentação, descanso e higienização bucal do paciente. Confira algumas dicas, a seguir:

●      A alimentação deve ser restrita, leve e com comidas líquidas, pois a região estará sensível e o paciente provavelmente terá dificuldades de engolir logo após a cirurgia;

●      Nos três primeiros dias, consumir apenas alimentos líquidos, pastosos e frios. Exemplo: açaí, sorvete e suco;

●      Durante a primeira semana, o paciente deve fazer repouso e evitar qualquer tipo de esforço físico;

●      Nada de atividades físicas antes de um mês após a cirurgia de amígdalas, podendo variar conforme a orientação do seu médico;

●      A escovação da parte inferior da boca, como a língua, deve ser feita com muito cuidado e leveza nas mãos para não prejudicar a cicatrização das amígdalas;

●      Deve-se evitar bochechos e gargarejos por, no mínimo, uma semana após o procedimento. Por fim, agora que você sabe mais sobre amígdala e amigdalectomia, se você apresenta quadros constantes de garganta inflamada e amigdalite, agende uma consulta na clínica Otorrino Paulista. Com atendimento on-line e presencial, a clínica oferece especialistas na área, prática humanizada e excelência em tratamento. Talvez a cirurgia de amigdalectomia seja a solução para o seu caso. Entre no site ou mande mensagem por WhatsApp para o número (11) 99142-2342.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como posso te ajudar
Send via WhatsApp