Otorrino Paulista

O que você mais precisa saber sobre apneia do sono

A apneia do sono, por definição, é a parada momentânea da respiração durante o período do sono. Ela acontece por inúmeras razões diferentes e tem como consequência alguns sintomas bem desagradáveis, como cansaço durante o dia, falta de concentração, dentre outros.

Vale a pena ressaltar que, apesar de parecer inofensiva, ela se trata de um problema de saúde com risco moderado. Pessoas acima do peso ou que roncam bastante costumam apresentar, pelo menos, um dos tipos de apneia. É importante identificar e tratar essa condição para que o indivíduo tenha mais qualidade de vida e menos riscos para algumas enfermidades, como hipertensão, AVC e problemas cardíacos. 

Neste post, falaremos mais sobre os principais sintomas, tipos de apneia, como o diagnóstico é realizado e quais são os principais tratamentos para solucionar essa condição. Informaremos o que você mais precisa entender para manter a sua saúde em dia.

Pronto para saber mais a respeito? Continue sua leitura até o fim!

Principais sintomas da apneia do sono

Os sintomas da apneia do sono são amplos e variam de acordo com cada pessoa. A idade, o peso e o gênero podem influenciar nos impactos da diminuição da frequência respiratória durante o sono, por isso, é importante ficar atento.

Os principais sinais normalmente apresentados pelas pessoas, são: 

  • ronco (muitas vezes alto);
  • acordar várias vezes durante a noite sem explicação aparente (muitas vezes, a pessoa fica consciente por breves momentos);
  • sentir sufocamento (ou falta de ar) durante o sono;
  • dor de cabeça pela manhã;
  • dificuldade de concentração;
  • dificuldade para manter a memória;
  • irritabilidade;
  • diminuição do rendimento profissional ou acadêmico.

Além dessa lista, homens podem apresentar impotência sexual, enquanto mulheres podem ter diminuição da libido. Outro sintoma extremamente comum e aparente das pessoas que sofrem de apneia do sono é a sensação de não conseguir descansar, elas normalmente relatam acordar pela manhã com fadiga e com dificuldades para enfrentar o dia.

Ao sentir dois ou mais sintomas dessa lista, é recomendada a visita ao médico para que haja uma análise do seu quadro em especial. Importante dizer que, em muitos casos, a pessoa não percebe alguns desses sintomas e nem consegue relacioná-los com a má qualidade do sono, o que faz com que a ajuda do parceiro ou familiar (como ao notar um ronco excessivamente alto ou respiração pela boca durante o descanso) seja importante para identificação da apneia.

Tipos mais comuns de apneia 

Existem basicamente três tipos de apneia do sono: a obstrutiva, a central e a mista. Além desses três tipos mais comuns, existe na literatura médica a manifestação da apneia do sono temporária, que normalmente acontece por conta de outro problema de saúde que impeça a passagem do ar durante a respiração — inflamação nas amígdalas, tumores e pólipos na região do pescoço ou nas vias aéreas superiores são alguns exemplos que podem levar ao quadro temporário.

Abaixo, falaremos mais sobre cada um dos tipos de forma sucinta. 

Apneia do sono obstrutiva

Essa é a mais comum de todas. Ela acontece quando há obstrução das vias aéreas superiores durante o período no qual o indivíduo dorme. Algumas das suas principais causas são: o relaxamento dos músculos responsáveis pela respiração e o estreitamento ou alteração da anatomia no trato respiratório superior (que envolve principalmente o pescoço e o nariz).

Apneia central do sono 

Essa é mais comum em pacientes que passaram por alguma enfermidade de gravidade moderada a alta no sistema nervoso central. Pessoas que sofreram AVC ou alguma doença degenerativa no cérebro podem perder ou ter sua capacidade de regular a respiração no sono, o que leva à insuficiência respiratória parcial ou total durante o descanso.

Apneia do sono mista

Acontece quando os dois tipos acima estão presentes. Seu surgimento é raro e completamente atípico no consultório médico.

Agora, que você já sabe quais são todos os tipos de apneia, vamos para a parte do diagnóstico do problema.

Procedimento para o diagnóstico da apneia

A melhor maneira de conseguir um diagnóstico preciso da apneia do sono é com a polissonografia. Esse exame consiste na análise da qualidade do sono por meio da aferição das ondas cerebrais, frequência cardíaca e nível de atividade dos músculos responsáveis pela respiração.

Todos esses dados são coletados com metodologias já conhecidas e, de maneira mais simples, podemos dizer que a polissonografia é o conjunto de vários testes diferentes, como: eletrocardiograma (ECG), eletroencefalograma (EEG) e eletromiograma (EMG).

Vale ressaltar que também é possível medir a oxigenação sanguínea por meio da oximetria, que pode ou não estar “inclusa” na polissonografia. Uma vez com os dados sobre sua fisiologia durante o sono, o médico responsável será capaz de avaliar e entender qual o tipo de apneia e se seus sintomas estão relacionados a ela.

Tratamentos mais indicados para o problema

Uma vez que a apneia do sono é constatada, existem alguns tratamentos que variam de acordo com o indivíduo e a gravidade. O mais comum deles é a utilização de um aparelho chamado CPAP (abreviação de Continuous Positive Airway Pressure ou pressão positiva contínua nas vias aéreas, em português).

O CPAP é semelhante a um aparelho nebulizador, ele é utilizado com uma máscara que pode cobrir o nariz e a boca ou somente o nariz. Em funcionamento, ele ajuda na ventilação, fazendo com que o ar seja empurrado até os pulmões, ajudando na oxigenação mesmo em casos de obstrução das vias aéreas.

É importante mencionar que o CPAP normalmente só é indicado para quem não obteve sucesso com mudanças na rotina ou não optou por cirurgia, que é outro tratamento extremamente eficaz. Na cirurgia — quando ela é recomendada —, o objetivo é liberar as vias aéreas, pela remoção de tecido que impeça a passagem ou pelo reposicionando os tecidos moles para que o oxigênio consiga fluir livremente.

Lembrando de que o peso corporal e outros hábitos diários também afetam negativamente a qualidade do sono. Assim, em alguns casos, é possível se livrar da apneia, quase que por completo, modificando alimentação e outras práticas que estejam relacionadas com a saúde.

Obviamente, a segunda opção (a cirurgia) varia de caso para caso e requer uma intervenção médica mais qualificada. Por isso, é sempre recomendado ir a um médico especialista — como um otorrinolaringologista — e experiente, para que sua apneia do sono consiga ser diagnosticada e solucionada com precisão.

Gostou do conteúdo? Conseguimos tirar suas dúvidas? Curta nossa página no Facebook e fique atento para mais postagens como esta — sempre produzimos materiais educativos para sanar todas suas questões sobre saúde e qualidade de vida!

Compartilhe !

Agendar consulta
1
Agendar consulta
Olá! Quer ter mais informações para agendar sua consulta?