Otorrino Paulista

Dor de garganta: causas e tratamentos

Quem já sentiu dor de garganta sabe como isso incomoda. A região fica seca e irritada, e ações como engolir e falar podem exigir um grande esforço. Algumas pessoas sentem coceira, outras apresentam febre, náuseas e congestão nasal dependendo do problema. Os sintomas tendem a aparecer principalmente nos dias mais frios e secos do ano.
Essa irritação é sinal de infecções virais, bacterianas ou inflamações leves, que passam com ou sem o uso de anti-inflamatórios. Quando o incômodo dura mais de uma semana, é importante consultar o otorrinolaringologista — médico especializado em garganta, ouvido e nariz — para ter um diagnóstico correto e fazer o tratamento.

Como a dor de garganta é muito comum em pessoas de todas as idades, preparamos este artigo para apresentar os principais problemas que a desencadeiam, os sintomas que manifestam, as formas de tratamento e como se prevenir. Confira!

O que causa dor de garganta?
Diversos problemas podem afetar a garganta resultando em dor e desconforto. Eles podem ser desencadeados tanto por micro-organismos patógenos quanto por fatores ambientais. Justamente por isso, qualquer pessoa pode apresentar esse quadro.

A seguir, listamos as suas principais causas.

Gripe
Causada pelo vírus influenza, a gripe está entre os tipos mais comuns de infecção respiratória. Além de incômodo na garganta, ela provoca dor muscular e de cabeça, bem como febre e tosse seca — quadro que pode causar limitações.

Ter gripe é diferente de estar resfriado. A temperatura corporal de uma pessoa gripada, por exemplo, ultrapassa os 38°C. Logo, um simples espirro ou nariz entupido não significa ter contraído a doença.

Laringite
É a inflamação que afeta as cordas vocais, sendo desencadeada, na maior parte dos casos, por uma infecção viral. Tosse e rouquidão são sinais característicos dessa doença. Algumas pessoas podem ficar afônicas (sem voz) quando estão com o problema.

A laringite pode ser aguda ou crônica. No primeiro caso, ela é temporária e seus sintomas são parecidos com os de um resfriado. Já na segunda situação, o problema dura mais de duas semanas e pode gerar tensão, lesões ou tumores nas cordas vocais.

Faringite
No geral, a origem dessa inflamação é viral, e existe dor ao falar e engolir. Quando se trata de um problema bacteriano, pode aparecer pus na região. Enquanto a faringite causada por vírus é benigna, a provocada por bactérias acarreta abscessos e febre reumática, em alguns casos.

Como a dor de garganta causada por essa inflamação pode dificultar a alimentação, uma boa dica de cardápio para quem está com faringite são as sopas, por serem mais fáceis de ingerir. Assim, é possível garantir ao organismo nutrientes para fortalecer o sistema imunológico até que os sintomas aliviem ou desapareçam.

Amigdalite
É a inflamação que afeta as amígdalas. Seus principais sintomas, além da dor de garganta, são o inchaço, a vermelhidão e a presença de secreções — nas situações em que a causa é viral. Já a amigdalite bacteriana provoca o surgimento de pus e, em alguns casos, adenoidite, que é uma infecção na adenoide (carne esponjosa).

Esse tipo de problema é mais comum no inverno devido à queda da umidade na atmosfera, que deixa o ar seco. Além disso, a presença de um grande número de pessoas em ambientes fechados favorece a entrada de vírus e bactérias causadores da amigdalite por meio das vias aéreas.

Alergias
As alergias respiratórias também podem ser a causa da dor de garganta. A sinusite, que provoca a inflamação nos seios da face, é uma delas. Dores de cabeça, tosse com catarro e secreção são os principais sintomas apresentados por quem tem esse problema.

A inalação de agentes alergênicos como poeira, fumaça, pólen e ácaros é mais uma causa do problema. Ele ainda pode estar relacionado a reações alérgicas em função de alimentos que a pessoa apresente sensibilidade.

Refluxo gastroesofágico
A dor de garganta pode ser provocada ainda pelo refluxo de ácido estomacal. Esse quadro se caracteriza pelo retorno do conteúdo do estômago para o esôfago, a garganta e, muitas vezes, também a boca e as vias aéreas.

Nessa situação, outros sintomas podem aparecer, como tosse, sabor azedo na boca e azia, além da sensação de queimação — que afeta tanto o estômago quanto a garganta. Isso acontece porque o ácido estomacal lesiona os tecidos e provoca irritação.

Desidratação
Quando o organismo está desidratado, além de vários outros sintomas, pode se manifestar a dor de garganta. Ela acontece porque os tecidos da região ficam ressecados e, com isso, irritados em função do ar e pelo contato com agentes alergênicos, como a poeira.

A xerostomia (boca seca) também pode contribuir para que isso aconteça, pois ocorre uma redução do fluxo salivar ou a queda da qualidade da saliva. Lembrando que esse ressecamento aumenta a suscetibilidade para problemas como a amigdalite, pois reduz a imunidade local.

Como a dor de garganta é tratada?
O tratamento para dor de garganta depende da origem do incômodo. Por isso, a primeira medida adotada pelo profissional é investigar o que está causando esse sintoma. O diagnóstico é feito por meio da observação do local afetado e, se necessário, da análise microscópica de secreções para identificar o agente patógeno.

Se o problema for causado por vírus, como em uma gripe, o uso de antibióticos não resolve, já que tais remédios só servem para combater as bactérias. Por sua vez, a faringite pode ser tratada com esse tipo de medicamento. Os analgésicos são indicados por alguns especialistas para ajudar a eliminar a dor e a febre.

Quando a dor de garganta tem origem em outras doenças, como no caso das alergias e do refluxo, é preciso que esses quadros sejam tratados. De nada adianta focar nos sintomas do primeiro problema se a sua origem não for combatida, uma vez que a tendência é de os sintomas aliviarem e retornarem depois de um tempo.

De toda forma, buscar a ajuda de um médico especializado é a melhor recomendação para o diagnóstico e o tratamento adequado. Com base nos sintomas e de acordo com a causa da dor, o profissional indicará a melhor medicação, sua dosagem, o tempo de uso e fará recomendações extras para acelerar a recuperação. A automedicação é contraindicada.

Quais são os sintomas dos problemas na garganta?
Os sintomas que indicam problemas na garganta são muito variados porque essas condições são desencadeadas por diversos fatores. Sendo assim, eles são diferentes para cada pessoa, tanto nos incômodos que provocam quanto em sua intensidade. De toda forma, os principais são:

febre;

dor de cabeça e muscular;

calafrios;

cansaço;

tosse;

rouquidão;

congestão nasal;

dificuldade para falar ou engolir devido à dor;

presença de pus ou secreção na região;

inchaço;

vermelhidão;

inflamação da adenoide;

azia;

náuseas;

mau hálito;

sabor ácido na boca.

Como aliviar a dor de garganta?
Sem abandonar a prescrição médica, você pode fazer gargarejos com água morna e sal ou usar sprays com substâncias anestésicas e pastilhas, que ajudam a minimizar a dor de garganta, a tosse e a rouquidão, além de deixar o hálito mais fresco e reduzir o gosto ruim na boca.

Outra medida eficaz para reduzir os desconfortos é beber bastante água, sempre em uma temperatura amena, evitando o gelado. Assim, mantém-se a hidratação do organismo e, consequentemente, dos tecidos da garganta — e ainda ocorre uma limpeza dela, importante principalmente nos casos de alergia e refluxo.

Não se esqueça de que esses são alívios momentâneos, e não um tratamento de fato, pois não combatem a origem do problema. É interessante conversar com o médico sobre essas práticas caso a dor esteja associada a sintomas mais intensos, como febre, náuseas e presença de pus na região.

Como evitar a dor de garganta?
Alguns hábitos simples podem ser adotados para evitar a indesejada dor de garganta. São eles:

cuide da voz, procurando não forçá-la;

não se esqueça de lavar as mãos frequentemente, especialmente na hora de preparar algum alimento ou antes das refeições;

se o seu nariz estiver entupido, lave-o com soro fisiológico ou use apenas a medicação receitada pelo médico;

não descuide da hidratação do corpo e beba, em média, dois litros de água por dia;

respire pelo nariz, e não pela boca;

evite o contato com indivíduos que estão com infecção na garganta;

fique longe da nicotina ou da fumaça provocada pela queima do cigarro;

tenha cuidado com a poluição e o ar-condicionado;

evite o choque térmico devido às diferenças na temperatura ao mudar de um ambiente para outro.

O que acontece se o problema não for tratado?
Apesar de bastante comum, a dor de garganta deve ser investigada e receber tratamento adequado a tempo, uma vez que, em determinadas situações, ela pode ser sintoma de doenças mais graves, como o câncer de laringe e faringe.

No entanto, não precisamos ir tão longe para explicar a importância de procurar um especialista. Caso o problema esteja relacionado a uma bactéria, existe a possibilidade de a infecção se alastrar cada vez, mais afetando outros órgãos do trato respiratório.

Indivíduos que não investigam e nem tratam a dor de garganta também ficam mais suscetíveis a apresentar quadros recorrentes ou problemas crônicos. Além disso, se a dor de garganta for causada pelo refluxo, é necessário o suporte de outro especialista, uma vez que os ácidos do estômago podem causar ulcerações no esôfago e levar ao desgaste dos dentes.

Por isso, o melhor ainda é procurar um especialista para saber o que está causando a dor de garganta e adotar o tratamento correto, além de medidas preventivas para evitar reincidências. Não se esqueça de que a garganta possibilita nossa comunicação, respiração e alimentação, por isso precisa ser muito bem cuidada!

Agora que você conferiu tudo o que precisava saber sobre dor de garganta, compartilhe essas informações nas redes sociais para seus amigos ficarem bem informados também!

Compartilhe !

Agendar consulta
1
Agendar consulta
Olá! Quer ter mais informações para agendar sua consulta?